Power BI – 8 Motivos Para Mudar do Excel para o Power BI

Power BI

O Microsoft Excel é, por tradição, a ferramenta de geração de relatórios mais usada pelas empresas. Entretanto, o Power BI oferece recursos poderosos de análise e geração de relatórios. Com uma experimentação mais rápida com visualizações, funções estatísticas, cálculos em conjuntos de dados amplos e a capacidade de obter respostas rápidas através da recombinação de campos, fica claro que o Power BI oferece um insight muito maior do que o Excel. Vamos ver como o Power BI e o Excel são comparados.

1. Acesse e Armazene uma Grande Quantidade de Dados (Sem Problemas)

O Power BI possui uma capacidade de compactação impressionante para arquivos do Microsoft Excel e extensões text/.csv. Isso permite visualizar, analisar e visualizar enormes quantidades de dados que não podem ser abertas no Excel. A maioria dos computadores teria dificuldades para abrir um arquivo .csv de 300 megabytes, o que tornaria a análise e a criação de relatórios no Excel um desafio. Assim, se você adicionar vários pequenos arquivos .csv a dados, por exemplo, sobre as vendas de regiões vizinhas, ficará imensamente difícil de combinar com seus conjuntos de dados e análises anteriores.

Você consegue imaginar ter todos os seus arquivos armazenados, conectados e completamente analisados usando apenas 50MB? Agora, isso é uma realidade com o Power BI da Microsoft, que usa poderosos algoritmos de compactação para importar e armazenar os dados em arquivos .PBIX.

Logo, grandes conjuntos de dados não precisam agregados e reduzidos em tamanho para mostrar análises mais abrangentes. Todos os detalhes e resumos mais granulares podem existir em apenas um arquivo e serem acessados ​​por meio de detalhamentos.

Você também pode modificar e preparar seus dados:

  • Possibilidade de transformações e edições, incluindo a alteração de formatos, exclusão de linhas, adição de colunas e transposição de dados.
  • Adicionar relações entre tabelas diferentes, o que é útil se você tiver um esquema estrela ou floco de neve.
  • Adicionar novos conjuntos de dados facilmente à medida que dados úteis são descobertos. Novos dados podem ser integrados no Power BI sem a necessidade de recombinar tudo de novo. Isso proporciona uma enorme flexibilidade na vinculação de conjuntos de dados.

Com o Power BI, a repetição dolorosa das etapas de preparação de dados é reduzida ou totalmente eliminada, pois o software se lembrará dessas etapas e as repetirá automaticamente durante as atualizações.

2. Localize Tendências de Dados de Forma Rápida e Fácil

Analisar tendências com o Power BI é extremamente fácil. Com recursos integrados de inteligência de tempo, leva apenas alguns segundos para visualizar grandes quantidades de dados. Você pode visualizar dados por várias dimensões e atributos, incluindo dimensões de data e hora.

Se você não tiver a data em uma estrutura de esquema, poderá criar facilmente uma tabela de datas em segundos para permitir que as funções de inteligência de horário funcionem. Como consultor de análise, conheci pessoalmente executivos de empresas que passam horas todo mês escrevendo macros do Excel em vários arquivos grandes para obter comparações em série temporal. Esses executivos trabalham em vários arquivos grandes do Excel, seja usando o VBA ou outros métodos de codificação.

Criando uma análise de tendência temporal no Power BI

1.Primeiramente, uma tabela de dimensão de data precisa ser criada. Use a função “New Table” na faixa de opções Modeling do Power BI Desktop e defina-a como Date = calendarauto(). Isso cria uma tabela com todas as datas que existem para o seu conjunto de dados. Observe que isso não é possível se você estiver fazendo um DirectQuery em seus dados.

2. Em seguida, seus dados e a tabela de datas precisam ser relacionados. Primeiro, certifique-se de que o campo de data dos seus dados tenha a formatação correta no Query Editor. Na guia de relações no lado esquerdo, arraste os campos de data da tabela de datas para o campo de data em seus dados. Observe que a tabela de dimensão de data pode ser conectada a várias tabelas.

3.Voltando à guia do relatório, agora você pode criar um gráfico usando a data no eixo x e a medida (receita, por exemplo) como valor.

4.Medidas adicionais úteis podem ser criadas usando as funções de inteligência de tempo do Power BI, como a receita acumulada no ano. Clicando com o botão direito do mouse na tabela, selecionando “new measure” e digitando-a no formato abaixo, a nova medida agora pode ser traçada em gráficos como qualquer outra medida. Uma medida de ano fornece uma comparação mais precisa do desempenho entre os anos: YTD_Measure = TOTALYTD (sum(Table_Name [Value]), Dim_Date [Date])


3. Recursos UX Intuitivos

A beleza do Power BI está na facilidade de tornar algo visualmente atraente e organizado com criatividade ou habilidades em UX (Experiência do Usuário) limitadas. A funcionalidade de arrastar e soltar, copiar e colar e o redimensionamento fácil fazem com que aqueles que estão familiarizados com o pacote Microsoft Office sintam-se em casa.

Criar esquemas de cores e branding consistentes nunca foi tão fácil quanto agora com os temas do Power BI. O departamento de branding de uma organização agora pode criar um tema Power BI simples no formato .json, e basta cada analista importar esse tema durante o desenvolvimento. A partir daí, todos poderão criar gráficos e diagramar consistentes entre si em termos de cor.

Um tema é simplesmente um arquivo .json que possui várias cores no formato HEX e pode ser criado ou modificado no bloco de notas. Por meio da guia de temas na faixa Início no Power BI, esse arquivo .json pode ser importado. Mais informações sobre a criação de temas podem ser encontradas no site da Microsoft neste link:

https://docs.microsoft.com/pt-br/power-bi/desktop-report-themes

Além disso, o lendário “Format Painter” da Microsoft copia toda a formatação (como cor e fonte) de visuais semelhantes. A capacidade de fazer alterações na formatação em elementos individuais, como ativar marcadores em gráficos de linhas e modificar o posicionamento dos rótulos de dados, permite que as pessoas façam alterações personalizadas para que sejam visualmente mais atraentes e mais fáceis de acompanhar.

4. Incríveis Recursos em Nuvem

Depois de concluir a sua análise no Power BI, você precisará publicar e divulgar seus dashboards e relatórios. No Excel, isso normalmente envolveria o envio de um arquivo grande por e-mail, colocando-o em uma unidade compartilhada ou no portal do SharePoint e informando às pessoas que ele foi atualizado. Agora, com o Power BI, esse processo foi completamente revolucionado.

Agora, publicamos no serviço de nuvem segura da Microsoft chamado Power BI Service, e automatizamos a atualização de nossos dados estruturais. Tudo que é preciso é clicar em “Publish” no canto superior direito da aba Home do Power BI.

Se você precisa de mais motivos para usar o Power BI Service, além de publicação e distribuição simplificadas, há algumas ferramentas valiosas disponíveis assim que publicarmos na nuvem:

  • Insights rápidos: algoritmos poderosos da nuvem podem obter insights rápidos diretamente de seu conjunto de dados. Ao clicar com o botão direito em seu dataset e clicar em quick insights, você pode obter uma análise completa de seus dados sem mesmo ter que abrí-los no Power BI Desktop ou criar dashboards. Você precisará ter um modelo de dados com as relações, se necessário.

Insights rápidos: Conseguindo insights rápidos no Power BI Service
  • Consulta em Linguagem Natural: Esse recurso incrível permite que os usuários digitem perguntas e recebam uma resposta, seja em um formato padrão ou especificado pelo usuário. Isso é útil para executivos com perguntas específicas e usuários corporativos que não estão familiarizados com o Power BI ou com o modelo de dados por trás do relatório. Além disso, esse recurso evita que o desenvolvedor de relatórios tenha que criar dezenas de visualizações extras no painel para responder a todas as possíveis perguntas. Para acessar isso, basta digitar uma pergunta na caixa de consulta no dashboard relevante.

Consulta em linguagem natural: Visualizações de dados que respondem às perguntas feitas pelos usuários
  • Dashboards personalizados: os usuários do Power BI podem criar dashboards que hospedam visualizações individuais de vários relatórios diferentes ou inteiros. Aqui, os usuários têm a capacidade de personalizar o tamanho e o layout de vários elementos visuais, além de dispor o painel de uma maneira mais perspicaz para sua função específica. Os dashboards podem até ser criados usando visualizações conectadas a diferentes fontes de dados. Esses dashboards recém-criados também podem ser compartilhados com outros usuários dentro da organização para colaboração posterior. Para criar ou mover um visual para um dashboard, basta clicar em “Pin” na parte superior direita do visual em um relatório.
Dashboards personalizados: Visuais de diferentes relatórios podem ser colocados em um sumário de dashboard
  • Alertas: depois que um dashboard for criado, alertas de e-mail podem ser configurados em KPIs. Clicando com o botão direito no visual do dashboard e selecionando “Manage Alerts”, a opção para configurar alertas aparece. Isso pode ser útil para os funcionários acompanharem uma ação específica como parte de um processo de avaliação, ou se o inventário ficar abaixo de um determinado valor.
Alertas: alertas via e-mail podem ser ativados se uma medida passar de certo valor.

5. Recursos de Segurança em Nível de Linha (RLS)

Adicionar Segurança em Nível de Linha (RLS), algo que era complicado no Excel, agora pode ser feito facilmente por quem não sabe programar. Um bom exemplo do uso de RLS é garantir que os funcionários só possam ver dados relevantes para sua geografia local. Adicionar esses filtros de acesso é simples, e o risco de outras pessoas verem dados que não devem é eliminado. Para configurar o RLS, os filtros para diferentes “funções” são configurados no Power BI e os indivíduos / grupos são adicionados às funções por meio do Power BI Service online.

Para configurar o RLS, selecione “Manage Roles” na guia Security da aba Modelling. Aqui você pode criar funções para diferentes grupos, usando filtros de expressão DAX de diferentes campos. Por exemplo, a função para Canadá terá o filtro de país definido para “Canadá”.

Um vez que o relatório for publicado no Power BI Service, os indivíduos ou grupos do Office 365 podem ser adicionados a diferentes funções através da opção Security, quando você clica com o botão direito do mouse em um dataset.

Conclusão Sobre Power BI

O Power BI é uma ferramenta fácil de usar que ajuda a impulsionar as organizações para uma cultura baseada em dados. Com poderosas habilidades self-service, os usuários corporativos não dependem mais de TI para coletar, transformar e analisar dados. A automação da integração dos conjuntos de dados, a facilidade de expansão em novas fontes de dados, as visualizações rápidas e a Segurança de Nível de Linha facilmente implantável estão entre as muitas razões pelas quais o Power BI é uma necessidade.

Além disso, um ambiente de colaboração em nuvem com recursos como o Natural Language Query facilita o processo de gestão de dados. Na era da análise, é importante que as organizações utilizem sabiamente os dados que coletam para evoluir rapidamente com as mudanças nos negócios e nos hábitos do consumidor.

O futuro é brilhante e promissor para a área analítica – são muitas as empresas que buscam incorporar a visualização de dados e eliminar relatórios tabulares com enormes quantidades de números. Com uma reformulação rápida, você também pode ser um expert em Power BI para a sua organização!

Fonte: https://us.hitachi-solutions.com/blog/8-reasons-why-you-should-shift-reporting-from-excel-to-power-bi/

https://www.cetax.com.br/curso/curso-powerbi

https://powerbi.microsoft.com/pt-br/

Sobre o autor

Equipe Conteúdo Cetax

Posts recentes

Comentários

Arquivos

Tags

Categorias

Meta

/* ]]> */